INOVAÇÃO NA EDUCAÇÃO

Inovação na sala de aula

Como mudar a dinâmica da sala de aula?

Aqui estão algumas das tecnologias educacionais que podem ser adotadas:


💡 Sala de Aula Invertida = Flipped Classroom

A principal ideia desta tecnologia está em oportunizar aos estudantes os conteúdos que seriam trabalhados em sala, antes da aula presencial. Assim a aula convencional vai pra casa por meio digital, e a aula presencial se transforma em exercício, ou deveres de casa, daí o nome sala de aula invertida ou Flipped Classroom. Um modo de antecipar o conteúdo é a utilização de vídeo-aulas disponibilizados por intermédio de um AVA(Ambiente Virtual de Aprendizagem) ou rede-social convencional como whatsapp, messenger ou facebook. Dessa forma, a aula presencial é orientada para trabalhar aspectos mais específicos sobre o tema, trabalhar dúvidas sobre o vídeo ou texto enviado anteriormente, realizar atividades práticas (active learning), otimizando assim o tempo e o processo de aprendizagem.

Cliquando aqui!

💡 Learn Cafe

Esta é uma técnica colaborativa para discussão de temas diversos e solução de problemas. Baseia-se em nas discussões em pequenos grupos que se movimentam circularmente e debatem diferentes aspectos relacionados a uma temática maior. Para compreender melhor a dinâmica da técnica, serão apresentadas uma sequencia de etapas. 1 - Define-se um grande tema ou problema que deverá ser tratado.

2 - Subdivide-se esse grande tema ou problema em partes que serão discutidas por grupos distintos com preferência com o mesmo número de participantes, por exemplo, 5 pessoas, das quais uma é o secretário(a).

3 - Cada grupo discute a fração do tema/problema durante 10 min em média.

4 - Depois desse tempo, todos os participantes de um grupo, exceto o secretário, se levantam e se movem para um grupo ao lado, em uma lógica circular. Repetindo-se esse processo continuamente até retornarem ao grupo de origem.

5 - A ideia é que todas as pessoas dos grupos, com exceção dos seus respectivos secretários, movam-se de mesa em mesa agregando novas contribuições as discussões dos grupos e construindo saberes de maneira colaborativa. Pode-se optar por movimentar o secretário a partir da segunda rodada, dinamizando também a ação de secretarias a discussão.

6 - Caberá aos secretários explicar as pessoas que chegam aos seus respectivos grupos, quais foram as contribuições dadas anteriormente e, ao final do processo, relatar as conclusões


💡 Gameficiação = Jogos para aprendizagem

Uma estratégia para o engajamento do estudante com a aprendizagem é o uso de jogos, competições ou desafios orientados com o tema abordado. Um exemplo de Gameficação é o jogo "show do milhão" orientado para circuitos elétricos. Um conjunto de 100 perguntas objetivas, com opções de "a" até "d", relativas à conceitos elétricos como tensão, corrente, potência e circuitos elétricos é adotado. Um conjunto de três alunos são escolhidos para formar uma banca de consultores. O restante da turma elege um aluno para o desafio, que é responder 3 questões selecionadas aleatoriamente do conjunto de 100. A 1a. Questão vale 200.000 pontos, a 2a vale 300.000 e a 3a vale 500.000 pontos, totalizando 1Milhão. O estudante deve responder as 3 questões sem errar, pois um erro perde tudo e sai do jogo. O tempo para cada questao é de 2 minutos, e ele pode pedir ajuda aos consultores porém terá que pagar 200.000 pontos a cada consulta, não sendo possível consultar na primeira pergunta. Este jogo é análogo aos programas de auditório dos canais de TV. Outro exemplo é o jogo Série Paralelo, divide-se os alunos em equipe, sendo que a cada aluno é atribuído um valor de resistência elétrica. O professor lança um desafio, e eles devem se configurar para obter o resistor equivalente, lançado dentro do tempo de 2 minutos. Existe várias possibilidades para o uso de jogos em sala de aula, esta experiência no Modelo EletroTECKnowledge, apresentou excelentes resultados na melhoria do relacionamento entre alunos e também no engajamento dos mesmos com o processo de aprendizagem.


💡 R.E.A = Recursos Educativos Abertos

O conceito de REA começa com dois princípios: licenças de uso que permitam maior flexibilidade e uso legal de recursos didáticos; e abertura técnica, no sentido de utilizar formatos que sejam fáceis de abrir e modificar em qualquer software. Nesse sentido os REA devem primar pelo que chamamos de “interoperabilidade” técnica e legal para facilitar o seu uso e reuso. REA é um movimento relativamente novo (ganhou força no meio dos anos 2000), que está sendo guiado por professores, alunos e instituições de ensino. Ele oferece uma alternativa para os altos custos da educação. Em 2016 e 2017 o LabTEC@ adotou como princípio de autoria, a produção de R.E.A. para todos os produtos, projetos e criações que surgiram dentro do processo de aprendizagem livre e aberta.


💡 Mobile Learn

Os dispositivos móveis são uma excelente plataforma para suporte à Aprendizagem, sendo que existe duas possibilidades de uso: a utilização de aplicativos disponíveis no mercado, ou o desenvolvimento de aplicativos através de SDK´s online com programação visual. Assim é possível utilizar esta estratégia para produzir soluções "mobile", de forma inovadoras, através da programação e criação de aplicativos para celular. A plataforma AppInventor do MIT , é uma excelente ferramenta para implementação desta tecnologia na aprendizagem. Trata-se de um um ambiente visual, que facilita em muito a introdução da programação como mecanismo de aprendizagem. Por ser de código aberto, facilita a divulgação em meio acadêmico reconhecido. Desde 2016 esta plataforma está em uso como apoio a aprendizagem nos Cursos Técnicos em Eletrotécnica. Vários aplicativos foram testados e desenvolvido, envolvendo os estudantes com a produção digital, como o site que foi criado dentro do framework EcoLabore de modo a compartilhar as experiência e os produtos por eles desenvolvidos. Para acessar o site Clique Aqui!


💡 Fish Bolw

É um método de discussão bastante colaborativo e dinâmico que se adequa a investigar um novo tema, aprofundar um conteúdo já em andamento, ou ainda, apropriado para chegar a conclusões finais depois de um estudo temático, atividade ou avaliação.

Para compreender melhor a dinâmica desta técnica observe os passos abaixo: 1o. - Adote um tema que possua várias questões ou aspectos que permitam criar rodadas com subtemas para o debate 2o.- Organize a turma em dois círculos, um maior, que irá conter os espectadores do círculo menor, os debatedores. O círculo menor deve conter pelo menos 5 participantes. 3o.- No círculo menor, existirá sempre uma cadeira livre. Ou seja, se existirem cinco pessoas conversando, haverá uma sexta cadeira livre que poderá ser ocupada a qualquer momento por uma pessoa do grupo observador. 4o.- Quando alguém do círculo maior ocupar a cadeira livre, outra pessoa do circulo menor deverá espontaneamente se levantar e ir para o círculo maior. 5o.- O processo se repete continuamente e é motivado por novas questões que professor deve apresentar a cada 5 ou 8 min.


💡 BrainWriting

6 pessoas - 3 ideias - 5 minutos ===

Técnica criativa que provê uma forma eficaz e simples para coletar ideias inovadoras de um grupo de pessoas sobre como resolver um problema, desenvolver um projeto, caracterizar um tema ou melhorar uma situação existente.

Exemplo:

Essa técnica é ótima para geração de ideias originais e solução de problemas. Contudo, também pode ser utilizada para compreender diferentes aspectos de um conteúdo de maneira dinâmica e combinada com outra técnica, o Just-in-Time Teaching que se volta para encontrar soluções de problemas ou aplicações de um conhecimento científico no mesmo momento em que se acessa pela primeira vez esse conhecimento. Por exemplo, é possível trabalhar com o tema TIPOS DE POLUIÇÃO de maneira bem participativa. Uma equipe de seis alunos deverá ser numerada da seguinte forma: Aluno 1: Poluição Atmosférica; Aluno 2: Poluição das Águas; Aluno 3: Poluição do Solo; Aluno 4: Poluição Nuclear; Aluno 5: Poluição Sonora e Aluno 6: Poluição Visual. Para cada um desses tipos de poluição, os alunos deverão elencar características, causas e consequências que permitam compreender o assunto. Sendo assim, cada aluno tem apenas 5 minutos para escrever 3 aspectos relevantes sobre o tipo de poluição e, após esse tempo, passar a folha para o colega ao lado. Dessa forma, as pessoas escrevem em silêncio sobre os tópicos em estudo sem conversar entre si, comunicando-se apenas pelo que escrevem. Não podem repetir o que outro colega escreveu e, portanto, devem se preocupar sempre em acrescentar novos pontos ao tópico que receberem. No começo é mais fácil, mas a medida que as rodadas de 5 min avançam fica mais difícil não repetir as caracterizações anteriores. Esse é um dos benefícios maiores da técnica. Só finaliza quando todas as pessoas tiverem escrito, pelo menos, 3 ideias sobre cada um dos 6 tópicos que circula. O tempo pode ser negociado, ou seja, o professor, em face da necessidade, pode aumentar o tempo para 8 ou 10 minutos por rodada.


💡 Painel Integrado

Compreende uma ótima técnica para discussão de temas que apresentam correlação entre si. Favorecendo a elevação dos níveis de comunicação, colaboração, participação e de integração de ideias.

A técnica tem um procedimento simples, organizado em duas etapas principais

Primeira etapa: - Divide-se os estudantes em grupos com o mesmo número de pessoas (3,4,5). - Os grupos serão identificados por letras: A,B,C... - Cada pessoa do grupo será identificada por um número, por exemplo, no grupo A, terão as pessoas A1, A2, A3... e, assim, sucessivamente. - Em cada grupo, será discutido um respectivo assunto, interconectado ao tema maior. - O tempo médio de discussão é de 15 min.

Segunda etapa:

- Agora, deve-se reunir as pessoas em função de seus números em novos grupos. - Dessa forma, serão formados diferentes grupos, por exemplo, Grupo 1: A1, B1, C1...; Grupo 2: A2, B2, C2...; e assim sucessivamente. - Nesse novos grupos, cada participante deverá trazer sua contribuição para integrar com as informações dos demais, fazendo uma síntese do conteúdo. - Também se recomenda um tempo de 15 min - E um relator do grupo apresenta as conclusões

Menu do Ecolabore Portal